O GTD no dia a dia

E chegamos no último post da série, que demorou mas saiu né?

Já estou super íntima de David Allen (SQN) de tanto que consultei o livro. Espero que essa série realmente tenha ajudado vocês!
Na verdade minhas explicações sobre o GTD terminaram nesta manhã ensolarada de domingo (se não tiver sol, a culpa é do Google que mentiu pra mim na previsão do tempo), minha ideia com esse post é contar como eu aplico o GTD na prática… só pra constar: eu ainda dou vários tropeços viu? Mas sinto que hoje estou mais produtiva do que nunca!
Bom, o que eu faço todos os dias:

A Revisão no GTD

Ufa! Gente, essa série está dando mais trabalho do que eu poderia imaginar, sabe?

Mas está sendo muito legal escrever, algumas coisas estão ficando mais claras até para mim… quando tenho que organizar tudo que aprendi para poder explicar a vocês!
Mas estamos na reta final e, se você chegou aqui colocando em prática o que está aprendendo, está cheio de listas. Se não fez, salva o post – no Evernote hein? mentira! salva onde você quiser hahaha – e volta pra ler depois. Quero que geral fique produtivo!
Mas voltando, você está no caminho para estabelecer um sistema pessoal de organização bem estruturado e tem, pelo menos, uma lista de Projetos, suas listas de próximas ações e uma agenda, certo?!
Então, para que esse sistema funcione, você precisa revisar as listas com a frequência correta para executar o que deve ser feito naquele momento. Isso vai garantir um controle sobre seu sistema.
Como o sistema é simples, a revisão também é.

Continuar lendo A Revisão no GTD

A visão vertical no GTD

Oi pessoas,
como vão?
Hoje vou falar de uma das partes mais interessantes do GTD, pelo menos para mim: as diferentes perspectivas que você pode ter sobre uma mesma ação. Na verdade, o autor não fala muito sobre o tema no livro… aprendi pesquisando em outros blogs e, no caso da visão a 50.000 pés, eu defini a partir de outros autores.
Fiquei sabendo quando estava pesquisando pra série que David Allen escreveu um livro depois, chamado no Brasil de “Faça Tudo Acontecer”, onde ele explica melhor o eixo vertical e como traçar esses pontos.
Fiquei com vontade de ler o livro. Se eu conseguir, vem para as resenhas!
Bom, explicando o que eu já sei: o objetivo do GTD não é que você apenas execute suas tarefas diárias, mas que você as faça sendo coerente com seu propósito de vida. Aliás, a ideia é te ajudar a encontrar esse propósito.
Eu acredito até que o David não detalhou muito isto no primeiro livro para que você se acostume/aprofunde no método, crie novos hábitos, tenha uma produtividade melhor e, aí sim, com a cabeça “limpa”, consiga alcançar vôos mais altos e uma perspectiva do todo na sua vida (lendo o segundo livro… hehe).
Podemos então olhar nossas atividades em geral e definir nossas prioridades a partir de 6 níveis, começando de baixo para cima:

Continuar lendo A visão vertical no GTD

O Calendário e o Tickler

Fala pessoal,
tudo bem?
Continuando a nossa série sobre GTD, o assunto de hoje é sobre duas ferramentas tão importantes quanto as listas de próximas ações: o calendário e o Tickler.
Só um comentário: a partir desse post, já existem muitas informações que vocês encontram na internet sobre o tema, então vou me preocupar menos em explicar de forma detalhada algumas coisas, pros posts ficarem menores e vocês menos cansados de ler também, ok?
Mas se algo não ficar claro, ou quiserem link, só correr aqui nos comentários.
Vou falar de cada uma das ferramentas separadamente então. Vamos lá?!

Continuar lendo O Calendário e o Tickler

Como Começar – Coleta e Processamento (Série GTD)

Olá Pessoas!
Hoje vou falar sobre como deve ser o processamento e a organização.
Estou falando da coleta e do processamento em posts separados por uma questão de facilitar a explicação, mas como já expliquei, a coleta e o processamento devem ser feitos no mesmo dia, de preferência, ou logo em seguida. Se você fizer a coleta e demorar pra fazer o processamento, você vai acabar transformando suas caixas de entradas em listas de tarefas e não vai conseguir alcançar o objetivo de se organizar, porque o sistema será falho.
Vou explicar primeiro como o processamento deve ser feito.

Como Começar – Coleta (Série GTD)

Olá pessoas,
Quase como eu havia prometido, hoje vou falar um pouco sobre como começar a implantar o GTD.
Antes, uma justificativa: apesar de estar de férias, estive bem atarefada alguns dias e depois dei uma pausa pra descansar (voltar de férias mais cansada que saí não rola mais pra mim!). No Carnaval também foi bem corrido e só consegui finalizar tudo no fim de semana porque, apesar de o post estar quase pronto, precisava fazer uns ajustes.Além disso, meu computador está surtando, de novo. Para compensar a demora, só estou publicando esse com todos os próximos agendados. Será um por dia!
Vamos continuar de onde paramos…

Livros que li em janeiro

Fala galera,

tudo bem?

Produtividade tem sido um tema muito recorrente aqui no blog né?

Pra dar uma variada, resolvi criar mais uma postagem periódica aqui no BMM, que é escrever sobre os livros que li no mês anterior. Vou tentar fazer isso sempre na primeira semana. Mas se não der algum dia do mês eu faço.  Em 2015 promessa no blog é dívida, minha gente!

Esse ano eu me propus a ler mais livros em geral,porque até ano passado eu tava meio relaxada. Na verdade, eu lia MUITO nos tempos pré-faculdade, então eu comecei a cursar Pedagogia e tive quase que alergia a livros… hahaha Depois da faculdade veio o meu trabalho, o convite pra ser coautora em um material pedagógico, as atividades de consultoria… e vamos combinar que educação de trânsito não é uma coisa que se vê todo dia né? Tem que estudar muito pra fazer direito.

Então eu continuei lendo muito, mas coisas muito específicas e técnicas, quase sempre meio que por obrigação: de se atualizar, de achar referência pra um trabalho, pra achar novas ideias e estratégias pra um tema… enfim, faz tempo que eu não leio mais que 3 livros de ficção em um ano inteiro, por exemplo.

Continuar lendo Livros que li em janeiro

Implementando o GTD – Introdução

E ai pessoal,

tudo bem?
Hoje começa a série de posts para dar algumas ideias de como implementar o GTD. A ideia dessa série é contar a minha experiência e, ao mesmo tempo, falar de erros que cometi ou coisas que eu faria diferente, agora que sinto que o processo funciona melhor no dia-a-dia.
Como eu disse no último post , comecei assim também, consultando alguns blogs sobre o tema e depois li o livro.
Vou ser bem sincera com vocês, acho que vale muito a pena ler o livro pra implementar o método, mas se você, assim como eu estava na época, tem pressa em se organizar, talvez essa série te ajude a começar… mas não deixe de ler o livro assim que possível!
Hoje vou fazer uma breve introdução sobre o sistema, na minha ótica, e apresentar o tema dos próximos posts. Se quiserem, podem enviar qualquer dúvida que tiverem que eu complemento a informação nas próximas publicações.
Mas vamos ao tema de hoje?

Continuar lendo Implementando o GTD – Introdução

Como implementei o GTD

Fala pessoal, tudo bem?

Como prometido, irei iniciar na próxima semana a série sobre GTD (antes tarde que nunca hein?). Faz mais ou menos uns 18 meses que parei de usar a Tríade do Tempo e comecei com o GTD.
Antes de começar a falar sobre o sistema em si e minhas sugestões para implementá-lo resolvi contar porque e como fiz essa mudança. Depois vou falar sobre o livro do David Allen: “A arte de fazer acontecer”
Eu usava a Tríade do Tempo, com a ferramenta Neotriad e, na verdade, continuo recomendando muito porque pode ser mais simples e prático no dia a dia do que o  GTD, dependendo dos seus objetivos com o sistema.
Mudei para o GTD por três motivos:
1. Eu não estava muito feliz com a plataforma do Neotriad, na época. Além de querer usar uma plataforma gratuita, as opções de sincronização nos meus dispositivos não estavam atendendo ao que eu precisava. Naquele momento, não pesquisei a fundo e não achei uma ferramenta em que eu pudesse adaptar o sistema da Tríade. Hoje, eu acho que poderia usar o Evernote tranquilamente, também.
2. Eu acho o GTD mais complexo para usar, mas mais adaptável, por outro lado. Eu tenho um estilo de trabalho um pouco diferente da maior parte das pessoas que conheço, então precisava de algo que eu pudesse adequar à minha realidade e rotina.
3. Muita gente tem usado o GTD, então é mais fácil achar dicas e trocar ideias com outros usuários.
Nos primeiros meses, usei o GTD com base no que eu lia sobre o sistema. Usei como referência o Vida Organizada e outros blogs, como o Efetividade.
Mas , pra mim, sinceramente, não dá pra usar um sistema de forma eficiente sem conhecê-lo minimamente. E pra conhecê-lo, de fato, precisa ser direto do autor. Por isso, em fevereiro e um pouco de março de 2014, passei meus horários de almoço lendo o livro “A arte de fazer acontecer” do David e então aprimorei meu sistema pessoal.
Minha opinião sobre o livro:
É um livro bem prático. Ele traz uma parte em que explica a metodologia do sistema, mas já falando de sua aplicação. Na segunda parte, ele explica os famosos 5 passos: coletar, processar, organizar, revisar e executar. Nessa parte, o legal é ir lendo e aplicando imediatamente. Por isso até demorei mais para terminar o livro. Só prosseguia quando conseguia aplicar minimamente o que eu tinha aprendido em cada etapa. Já a terceira parte é sobre o poder dos princípios chave, apresentando alguns hábitos que são importantes ser incorporados na rotina para que o método funcione.
Acredito que seja um livro pra ser relido e consultado. Principalmente, a parte 2 do livro, pois a cada vez você consegue apreender coisas novas e melhorar seu uso do sistema. Indico o livro pra todo mundo! Mesmo que a pessoa queira usar um sistema mais simples, pode fazer uma adaptação. Além disso, ele traz várias reflexões sobre o uso do tempo e produtividade, a importância de relaxar e porque devemos ter objetivos na vida. Vale a pena a leitura, porque lendo você já fica com vontade de organizar a vida e colocar essas coisas em prática! Se puderem, comprem o livro, pra poder rabiscar, reler, consultar, colocar post-it e etc…
Se alguém ler, conta pra mim depois.
Beijos e até a próxima!